Doppler Transcraniano e Enxaqueca: Saiba Qual a Relação

2O Que é a Enxaqueca?

Você, com certeza, já ouviu por ai alguém dizer que teve uma crise forte de Enxaqueca, certo? Ou talvez você mesmo já tenha passado por isso. Mas, já parou para pensar exatamente o que isso quer dizer?

Então vamos lá ver o que pode ser feito contra a crise de enxaqueca, tem solução essa crise de enxaqueca…

Enxaqueca nada mais é do que um dos tipos de cefaleia, ou seja, dores de cabeça. Pacientes relatam que a Enxaqueca é uma dor frequente e pulsante, que pode acontecer em um dos lados da cabeça ou dos dois ao mesmo tempo.

Geralmente, esta forte dor de cabeça é uma crise passageira que vem acompanhada de sensibilidade à luz (fotofobia) e também ao som (fonofobia). Outras características recorrentes são as náuseas e o vômito.

Este quadro clínico pode ser classificado como: episódico, ou seja, incidente com certa raridade. Ou ainda crônico, quando ocorre com determinada frequência.

As causas exatas que provocam a enxaqueca ainda são meio desconhecidas no círculo médico. Porém, muitos estudos por aí relacionam as dores crônicas a fatores genéticos.

Analiticamente, a Enxaqueca é acionada por um gatilho externo que estimula as células nervosas que já se encontram em um estado de hiperexcitabilidade. Isso envia impulsos aos vasos sanguíneos e a outras estruturas e substâncias inflamatórias que causam dor.

Curiosamente, o quadro crítico é quase sempre o mesmo para um único indivíduo. As crises variam apenas de intensidade e frequência de incidência.

Como já foi dito um pouco antes, existem gatilhos que podem estar relacionados ao início de uma crise de Enxaqueca. Os mais comuns são:

  • Estresse;
  • Fome intensa por um período prolongado;
  • Variação no sono (dormir mais ou menos que o habitual);
  • Perfumes muito fortes e marcantes quando o paciente é sensível a isso;
  • Atividades físicas além da conta;
  • Estar em ambientes com luzes e sons intensos por um longo período de tempo;
  • Uso frequente de determinados medicamentos, incluindo analgésicos;
  • Fatores hormonais, principalmente em mulheres. É comum portadoras de enxaqueca apresentarem dor nas fases pré ou pós menstruação;
  • Determinados alimentos e bebidas, como chocolates, café, refrigerantes à base de cola, chá mate, queijos amarelos envelhecidos, frutas cítricas, carnes processadas, frituras, gorduras e álcool em excesso.

1Como a Enxaqueca se Relaciona com o Doppler Transcraniano?

Em pacientes em estado de crise de Enxaqueca, podem ser detectadas alterações nas velocidades do fluxo sanguíneo. Essas mudanças e diferenças no fluxo são reações comuns durante os períodos de dor ou mesmo durante o próprio tratamento da cefaleia.

É possível chegar a este diagnóstico através da realização do exame Doppler Transcraniano. Isso porque ele possui características que analisam as alterações em questão.

Baseado no sistema de Doppler, método que emite pulsação de ondas de baixa frequência, o Doppler Transcraniano (DTC) é realizado em pacientes que necessitam de atenção na área cerebrovascular, como é o caso deste tipo de Cefaleia.

O principal objetivo é avaliar a circulação sanguínea dos principais vasos e artérias intracranianos. Dessa forma, é possível fazer o diagnóstico e indicar tratamentos para possíveis problemas cerebrais.

O exame, na verdade, é bastante simples, indolor e nada invasivo. Na maior parte das vezes, não exige nem grandes preparativos para a sua realização. Pode ser feito em idosos, adultos e crianças. Não há contraindicação.

Basicamente, um transdutor emissor das ondas sonoras inaudíveis ao ouvido humano desliza pela pele em locais estrategicamente definidos. Quando colocado em regiões do crânio com baixa densidade óssea, esse dispositivo permite o acesso às artérias que precisam ser investigadas.

Portanto, o Doppler Transcraniano possibilita um estudo e análises mais aprofundadas sobre as reações cerebrais durante os episódios de crise de Enxaqueca, o que contribui na decisão mais correta de um possível tratamento.